Folha do ES
Seg, 22 de Abr

Home   Polícia     Mundo


Mãe matou o estuprador de sua filha e foi absolvida pela Justiça

Mãe matou o estuprador de sua filha e foi absolvida pela Justiça

Nokubonga foi chamada de 'mãe leoa' pela imprensa local por ter protegido a filha

  Por Redaçao

  02.abril.2019 às 08:49

Nokubonga Qampi ficou conhecida como "mãe leoa" na África do Sul após matar um dos três homens que estupraram sua filha. Ela foi acusada de homicídio, mas diante do clamor público o processo foi arquivado - e ela conseguiu concentrar seus esforços na recuperação da filha.

Era madrugada quando o telefone tocou, acordando Nokubonga.

O que faz a maioria das vítimas de estupro não reconhecer ou falar sobre a agressão

Como identificar possíveis sinais de abuso sexual em crianças?

A jovem do outro lado da linha estava a apenas 500 metros de distância - e avisou que Siphokazi, filha de Nokubonga, estava sendo violentada por três homens que todos conheciam bem.

A primeira reação de Nokubonga foi chamar a polícia, mas ninguém atendeu. Ela sabia, de qualquer forma, que levaria tempo até chegarem à sua aldeia, nas colinas da província de Cabo Oriental, na África do Sul.

Ela era, portanto, a única pessoa que poderia ajudar.

"Eu estava com medo, mas me obriguei a ir porque era minha filha", afirmou.

"Eu ficava pensando que quando chegasse lá, ela poderia estar morta... Porque ela conhecia os agressores, e porque eles a conheciam e sabiam que ela os conhecia. Eles poderiam pensar que precisavam matá-la para não serem denunciados. "

Siphokazi tinha ido visitar amigos em um lote de quatro pequenas casas na mesma aldeia, mas acabou ficando sozinha e pegou no sono, quando seus amigos saíram por volta de 1h30. Foi então que três homens que estavam bebendo em uma das outras casas a atacaram.

A cabana em que Nokubonga vive tem dois cômodos - um quarto, onde ela estava dormindo, e uma cozinha, onde pegou uma faca.

"Peguei (a faca) para mim, para andar daqui até onde o incidente estava acontecendo, porque não é seguro", diz ela.

"Estava escuro e eu tive que usar a lanterna do meu celular para iluminar o caminho."

Ela ouviu os gritos da filha quando se aproximou da casa. Ao entrar no quarto, a luz do celular permitiu a ela ver a cena da filha sendo estuprada.

"Eu estava com medo... Fiquei parada perto da porta e perguntei o que estavam fazendo. Quando eles viram que era eu, vieram na minha direção, foi quando eu pensei que precisava me defender, foi uma reação automática", conta Nokubonga.

Ela se recusa a entrar em detalhes sobre o que aconteceu em seguida.

O juiz Mbulelo Jolwana afirmou durante o julgamento dos agressores que o depoimento de Nokubonga mostrou que ela "ficou muito abalada" ao ver um dos homens estuprando sua filha, enquanto os outros dois estavam de pé com as calças arriadas até os tornozelos, aguardando sua vez de violentá-la de novo.

"Entendi que ela queria dizer que estava tomada pela raiva", acrescentou.

Mas ao recontar a história agora, tudo o que Nokubonga admitiu foi medo - por ela e sua filha. O rosto dela revela apenas tristeza e dor.

'Eu estava com medo, mas me obriguei a ir porque era minha filha', diz Nokubonga

Está claro, porém, que quando os homens partiram para cima de Nokubonga, ela reagiu usando a faca - e que, quando os esfaqueou, eles tentaram fugir. Um deles chegou a pular pela janela. Um dos suspeitos morreu e os outros dois ficaram gravemente feridos.

Nokubonga não permaneceu no local para saber a gravidade dos ferimentos. Ela levou a filha para a casa de um amigo nas proximidades.

Quando a polícia chegou, Nokubonga foi presa e levada para a delegacia local, onde foi mantida em uma cela.


Fonte: BBC Brasil

Comentários Facebook


Enquete


Qual camiseta (masculina e feminina) é a mais bonita para o evento da FOLHA DO ES?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo do Leia-se para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2019 Leia-se. Todos os direitos reservados.